Geral

Prefeitura aprova maior plano de regularização fundiária da história de Campinas

A Prefeitura de Campinas, por meio da Secretaria de Habitação (Sehab), aprovou o Plano de Regularização Fundiária do Loteamento Jardim Uruguai, o maior já realizado em Campinas, com 1.148 lotes e mais de 300 mil metros quadrados. O núcleo urbano fica na região Noroeste da cidade, no Distrito do Campo Grande. A aprovação foi publicada no Diário Oficial desta quarta-feira, 13 de setembro. Moradores do bairro aguardavam há quase 30 anos pela regularização, processo que resgata a cidadania e melhora a qualidade de vida da comunidade.

Classificada como de interesse social (Reurb-S), a regularização compreende famílias de baixa renda. O núcleo foi instalado em uma área particular e a Administração Municipal atuou junto ao responsável pelo loteamento para garantir a implantação de toda a infraestrutura essencial no núcleo urbano.

O Jardim Uruguai conta atualmente com rede de abastecimento de água e de esgotamento sanitário, coleta regular de lixo, rede de energia elétrica, iluminação pública, serviço público de transporte e rede de drenagem pluvial e pavimentação.

Para o secretário de Habitação e presidente da Companhia de Habitação Popular (Cohab) Campinas, Arly de Lara Romêo, a aprovação é a garantia da regularização de mais 300 mil metros quadrados de área e de qualidade de vida para a população. “Trata-se de uma grande vitória, visto que a regularização do Loteamento Jardim Uruguai era aguardada desde 1996”, afirmou.

Segundo o diretor de Habitação da Sehab, Lucas Bonora da Silva, o plano de regularização do Jardim Uruguai chama a atenção por ser o maior já realizado em extensão territorial, pelo número de lotes e de serviços públicos contemplados. “Além de propiciar a regularização registrária de mais de mil imóveis, assegurou a implantação de toda rede infraestrutura essencial, bem como a imposição de compensações urbanísticas e ambientais para mitigar os prejuízos causados com a sua implantação de forma irregular”, destacou.

Meio ambiente

Para a regularização do loteamento, a Secretaria do Verde, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (SMVDS) acompanhou o processo, uma vez que o perímetro do loteamento atinge parte da Área de Preservação Permanente (APP) do Rio Capivari e de córrego sem denominação afluente do Córrego Satélite Íris. A pasta atestou, por meio do Certificado de Regularização Ambiental, que a regularização melhorou as condições socioambientais quando comparadas à ocupação irregular.

Compensações

Foram exigidas, por parte do loteador, compensações ambientais como reserva, preservação e disponibilização da área de 3.298,19m² correspondente à Área Verde e 24.045,88 m² correspondente à Área de Preservação Permanente – APP. Também foram feitas exigências relativas a compensações urbanísticas como reserva e disponibilização das seguintes áreas públicas municipais: área de 7.473,60m² para implantação de sistemas de lazer; área de 10.230,01m² para implantação de equipamentos públicos comunitários; área de 11.446,13m² para implantação de equipamentos públicos urbanos e área de 97.557,14m² correspondente ao sistema viário.

Moradores comemoram vitória

A água só chegava duas vezes por semana, em caminhão-pipa, quando Ademar Martins dos Santos se mudou para o Jardim Uruguai há 25 anos. Energia elétrica também não tinha. Hoje, a mudança no bairro é visível para ele, que é dono de uma barraquinha de lanches. Ele mora com a esposa e duas filhas crianças. A mais velha, adulta, vive com a família em uma casa que construiu em cima da sua. “Quem conheceu o bairro como era antes, sabe que hoje estamos num paraíso. Temos água, luz, está muito bom. E agora com a escritura, o lote vai valer muito mais. É uma mudança boa para a gente mesmo”, afirmou.

Também feliz com a regularização, Marlene Boscariol Pimentel vive com o marido e a filha há cerca de 20 anos no Jardim Uruguai. Marlene, que trabalha realizando faxinas, conta que a família veio do Paraná para Campinas, comprou o terreno e foi ampliando a casa, inicialmente com dois cômodos, aos poucos. “Com muito sacrifício, conseguimos. O bairro também melhorou bastante com o asfalto e não vejo a hora de pegar a escritura”, conta.

Proprietária de terrenos no Jardim Uruguai, a comerciante Maria Helena Batista da Silva também comemora. Ela ressalta que a irregularidade do bairro era muito ruim e só de saber que era uma invasão, isso já desanimava possíveis interessados em fazer negócios na área. “Foi muita luta. Muita gente sonhava e não conseguiu ver a regularização”, contou. Com a aprovação e a chegada das matrículas dos imóveis, as perspectivas de Maria Helena mudaram, para melhor.

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS
Compartilhar no Facebook

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor desabilite o AdBlock