Geral

Entenda como está o cenário de internações por dengue em Campinas

Em meio ao aumento dos casos confirmados de dengue, Campinas registra nove pacientes com a doença internados em hospitais das redes pública e particular da cidade nesta semana. Veja abaixo dados com comparativo desde 2015.

Diferentemente da covid-19, a hospitalização para pacientes com dengue costuma ser curta, com tempo médio de até quatro dias, e ocorre até o quadro do paciente se estabilizar.

As indicações para internação hospitalar, segundo atualização feita pelo Ministério da Saúde na 6ª edição do Guia Dengue: Diagnóstico e Manejo Clínico, são para situações de:

– Presença de sinais de alarme ou de choque, sangramento grave ou comprometimento grave de órgão;

– Recusa à ingestão de alimentos e líquidos. 

– Comprometimento respiratório: dor torácica, dificuldade respiratória, diminuição do murmúrio vesicular ou outros sinais de gravidade.

– Impossibilidade de seguimento ou retorno à unidade de saúde por condições clínicas ou sociais. 

– Comorbidades descompensadas ou de difícil controle, como diabetes mellitus, hipertensão arterial, insuficiência cardíaca, uso de dicumarínicos, crise asmática e anemia falciforme. 

– Outras situações a critério clínico.

Dados da Secretaria de Saúde mostram que 133 pessoas precisaram ser internadas desde janeiro deste ano, das quais 124 já tiveram alta, o equivalente a apenas 2,2% dos 6.025 casos registrados no Painel Interativo de Arboviroses até a quarta-feira, 21 de fevereiro. 

Vale destacar que este aumento de internações não excedeu a capacidade do sistema de saúde público. Ele está preparado para lidar com essa demanda adicional sem impactar em outros procedimentos hospitalares. 

Dados até 1º quinzena de fevereiro

2015 – 43

2016 – 8 

2017 – 4

2018 – 2

2019 – 14

2020 – 18

2021 – 5

2022 – 10

2023 – 6

2024 – 104 (133 até 21 de fevereiro)

% de hospitalizações

2015 – 0,3%

2016 – 0,5%

2017 – 5,9%

2018 – 5,3%

2019 – 1,1%

2020 – 1,5%

2021 – 2%

2022 – 2%

2023 – 1,7%

2024 (até 21 de fevereiro) – 2,2%

Por que aumentaram as internações?

O aumento das internações entre 1º de janeiro e 15 de fevereiro de 2024, no comparativo com o mesmo período de anos anteriores, ocorreu porque Campinas, além de estar em situação de epidemia, registra pela primeira vez na história a circulação simultânea dos sorotipos 1, 2 e 3 do vírus da dengue. 

A circulação de mais de um sorotipo do vírus da dengue em uma área pode aumentar o risco de casos graves da doença, especialmente em áreas endêmicas onde as pessoas têm maior probabilidade de serem expostas a múltiplos sorotipos ao longo do tempo. 

Houve ainda recomendação adicional do Ministério da Saúde, por meio da 6ª edição do guia sobre dengue, para que os pacientes que apresentarem risco de complicações tenham acompanhamento diferenciado e permaneçam, em alguns casos, por um período mínimo de 48 horas em leito de internação até a estabilização.

Como será a atualização das internações?

A Secretaria de Saúde esclarece que o painel de monitoramento mostra a porcentagem de casos que exigiram internação ao longo do ano e não fará atualização diária ou semanal sobre número de internações por dengue. As equipes neste momento estão dedicadas principalmente à prevenção, com ações diárias e mutirões para eliminar criadouros do mosquito Aedes aegypti, e assistência nos centros de saúde, onde 97,8% dos pacientes podem ser tratados.

Além disso, a internação é considerada rápida e, ao contrário do período de pandemia, não há reflexos significativos sobre ocupação de leitos nos hospitais. A Pasta fará novas divulgações para informar a população quando houver aumentos expressivos de casos.

Nesta semana, a Saúde reforçou a orientação para que moradores que apresentarem febre busquem imediatamente uma unidade básica para atendimento e orientações.

Já quem apresentar tontura, dor abdominal muito forte, vômitos repetidos, suor frio ou sangramentos – nos casos de suspeita de dengue com febre ou de doença confirmada – deve buscar por auxílio em pronto-socorro ou em UPA.

5º Mutirão

A Prefeitura realiza neste sábado, 24 de fevereiro, o 5º mutirão de 2024 para prevenção e combate à dengue. A nova iniciativa de guerra contra a doença irá percorrer imóveis dos bairros Vila Vitória, Mauro Marcondes, Vida Nova I, Vida Nova II e Parque Aeroporto, das 8h às 12h. O trabalho é uma parceria entre Administração e EPTV, afiliada da TV Globo, por meio da 7ª Campanha Regional de Combate ao Aedes aegypti.

O mutirão será multisetorial e conta com apoio de profissionais das secretarias de Serviços Públicos, Habitação, Educação, Assistência Social e de Trabalho e Renda, além da Guarda, Defesa Civil, Sanasa e Emdec. O balanço das ações deve ser divulgado na segunda, 26.

O que já foi feito?

A Secretaria de Saúde de Campinas informa que desde dezembro de 2023 já colocou em prática uma série de medidas consideradas adicionais, sobre o plano regular de prevenção e combate à dengue, que inclusive começaram a ser copiadas por outros municípios brasileiros diante do contexto do aumento de casos da doença.

Neste ano, agentes de Saúde já visitaram 18,4 mil imóveis em quatro mutirões e ações de visitas às residências que antecederam estes trabalhos específicos para orientar a população e eliminar criadouros do mosquito transmissor da doença. Além disso, somente em 3 de fevereiro, um mutirão da Secretaria de Serviços Públicos recolheu 1,4 mil toneladas de lixo e entulho descartados irregularmente em áreas públicas de Campinas.

O plano inclui uma Sala de Situação para análise sistemática, reorganização da rede municipal de saúde e um novo site para divulgar informações. Além disso, a Saúde realizou oficinas para ampliar capacitações em hospitais públicos e particulares de Campinas.

Os mutirões começaram em 6 de janeiro, nas regiões com mais casos suspeitos e confirmados, e a programação com esta frequência está mantida pelo menos até o início de abril. Estatísticas do Departamento de Vigilância em Saúde (Devisa) mostram que 80% dos criadouros estão nas residências.

Comitê de prevenção

Desde 2015 a Prefeitura conta com um comitê de prevenção e controle de arboviroses, que em 2023 passou a se chamar Comitê Municipal de Enfrentamento das Arboviroses e Zoonoses. Ele reúne 14 secretarias: Governo; Saúde; Educação; Serviços Públicos; Verde, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável; Gestão e Desenvolvimento de Pessoas; Administração; Comunicação; Trabalho e Renda; Esportes e Lazer; Cultura e Turismo; Habitação; Relações Institucionais, e Assistência Social, Pessoa com Deficiência e Direitos Humanos. Também participam Defesa Civil, Serviço 156, Rede Mário Gatti, Setec e Sanasa.

No comitê é discutida a situação epidemiológica da cidade e, com isso, são desencadeadas as ações intersetoriais e apoio para as ações da Secretaria de Saúde. Mais informações estão no site: https://dengue.campinas.sp.gov.br.

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS
Compartilhar no Facebook

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor desabilite o AdBlock