Connect with us

Geral

Literatura de escritores negros tem lançamento na Biblioteca Manoel Zink

Published

on

 

O tema “A Literatura Brasileira na Ótica dos Escritores Negros” será colocado em pauta no evento que reúne lançamento dos livros dos escritores Fausto Antônio e Plínio Camillo e roda de conversa com os autores e participações de Junião (cartunista e ilustrador da obra “No Reino das Carapinha”), Marciano Ventura (editor da Ciclo Contínuo) e da professora Natasha Magno, do Instituto de Estudos da Linguagem da Unicamp. A atividade é aberta ao público e acontece nesta sexta-feira, 22, a partir das 19h, na Biblioteca Pública Municipal Prof. Ernesto Manoel Zink.

 

 

“Trazer escritores negros e sua produção literária para o proscênio de nosso debate cultural é evitar a perpetuação da exclusão cultural e incorporar no nosso universo o imaginário estruturante o referencial cultural das tradições afro-brasileiras, tematizando as perspectivas dos valores de quem vivencia e se debate em nosso cenário cultural, contornando o viés único dessa cultura européia, etnocentrista e colonizante”, afirma o especialista cultural e curador do evento, Ronaldo Simões Gomes (Batata).

 

 

Segundo ele, a literatura produzida por autores negros costuma receber um trato das tradições literárias brasileiras que os condena à escolha por duas alternativas: submeter-se a um processo institucionalizante de branqueamento, onde as temáticas próprias do processo cultural da população negra são relegadas, como bem operou nosso literato mór, Machado de Assis, ou serem relegados a um gueto onde falam apenas para seus pares, como Lima Barreto e Solano Trindade.

 

 

“A farta produção poética da comunidade negra, realizada através de suas tradições orais e musicais, é desconsiderada no debate do campo da produção poética da literatura brasileira. Cartola, Ataulfo Alves, Paulinho da Viola, Itamar Assunção, para citar alguns dos muitos que contribuíram para a configuração de uma poética popular, não são considerados como partícipes do que se deva levar em conta nas avaliações críticas de nossa teoria literária”, reflete.

 

 

 

Fausto Antônio

 

 

Natural de Campinas, Carlindo Fausto Antônio é graduado em Letras, Mestre em Ciências Sociais Aplicadas à Educação e Doutor em Teoria Literária pela Unicamp com a tese ‘Cadernos Negros: esboço de análise’. Nesse trabalho, aborda criticamente uma trajetória de 27 anos da publicação coletiva afro-brasileira, que vai de 1978 a 2004, situando-a histórica e esteticamente. Sua pesquisa descreve e analisa as recorrências presentes na prosa e no verso presentes na série e nas reflexões teóricas desenvolvidas por alguns autores, com o fim de ressaltar aspectos e questões que constituem uma vigorosa rede polifônica de adesão à cosmogonia afro-brasileira e aos lugares das noções textuais da negrura enquanto elo identitário.

 

 

Como educador empenhado na formação do hábito de leitura e na implantação efetiva do ensino da História e da Cultura africana e afro-brasileira, coordenou em Campinas o grupo de trabalho “Memória: Discutindo o Negro na Literatura Infantojuvenil”.

 

 

No momento, atua como professor e coordenador do curso de Humanidades da Unilab – Universidade da Integração da Lusofonia Afrobrasileira – campus dos Malês, em São Francisco do Conde, no Recôncavo Baiano, região metropolitana de Salvador.

 

 

Sua primeira publicação em livro, Fala de Pedra e Pedra, data de 1986. No ano seguinte, integrou o projeto “Artistas Plásticos pela cidade”, coordenado pelo Museu de Arte Contemporânea de Campinas. Em 1988, participou da Exposição de Poesia Concreta realizada na PUC-Campinas e na Unicamp.

 

 

Em 1989, divulgou seus textos na exposição “Gestos e Manifestos – Poesia concreta”, que teve lugar no Museu de Arte Contemporânea da cidade. Em 1991, publicou seu segundo livro, “Linhagem de Pedra e de Outra Pessoa”, em que o poeta acerta em cheio no diagnóstico do processo de perda a que está submetido o sujeito na sociedade contemporânea. É também autor do romance “Exumos”, de 1995, além de duas peças teatrais: “De que valem os portões” (1992) e “Arthur Bispo do Rosário, o Rei” (1995). Em 2006, publicou os volumes “Vinte anos de poesia” e “Vinte anos de prosa”, em que reúne parte de sua produção anterior, acrescida de inéditos. Além disso, está presente em diversas edições dos Cadernos Negros, tanto de poesia quanto de ficção, além de outras antologias. Em paralelo, desenvolve criativo projeto voltado para o público infantojuvenil – intitulado “No Reino da Carapinha” – do qual o “literafro” reproduz um excerto na seção de textos selecionados.

 

 

Plínio Camillo

 

 

Formado em Estudos Linguísticos pela USP, Plínio Camillo é natural de Ribeirão Preto e reside em São Paulo. Além de escritor, é ator e educador social, tendo atuado com crianças e adolescentes de rua. Atualmente, trabalha também na área de comunicação.Seu primeiro livro, “O Namorado do Papai Ronca”, voltado ao público infantojuvenil e publicado em 2012, foi premiado pelo Concurso de Apoio a Projetos de Primeira Publicação de Livro no Estado de São Paulo – ProAC. Lançado pela Prólogo Selo Editorial, em parceria com o Instituto Cultural Mundomundano, chama a atenção pela inovação na linguagem, que se apropria do modo de expressão usual nas redes sociais. Antes do lançamento individual, participou de duas coletâneas de contos: “Abigail” (2011) e “Assim você me mata”, (2012), ambos lançados pela Editora Terracota.

 

 

Estimulado pela literatura de autores como Marcelino Freire, Dalton Trevisan, Lima Barreto e Dashiel Hammett, o autor encontra referências também na dramaturgia e na tradição teatral, áreas em que possui vasta experiência. Participou do Curso de Extensão Cultural na área de teatro da Unicamp e atuou como autor, diretor, ator, iluminador e assistente de produção nesta área.

 

 

Camillo reconhece em sua construção narrativa o aporte desta vivência teatral. Sua linguagem, assim como as temáticas abordadas pelos seus textos, demonstra forte ligação com o cenário contemporâneo em múltiplos aspectos artísticos e políticos, principalmente no que tange as diferenças étnicas, sociais e sexuais. Suas atuações como educador, ator e blogger são de fundamental importância no florescimento de sua obra literária.

 

 

Em 2014, publica a coletânea de contos “Coração Peludo” (Editora Kazuá), mesmo ano em que começa a colaborar com a Revista Córrego. Em 2015, lança “Outras Vozes” (11 Editora), livro de contos cujo foco de representação e ponto de vista é construído a partir da realidade do negro escravizado, misturando ficção a fatos históricos. Em 2016, participa da coletânea “Descontos de fadas”, publicado pela @link Editora, em que narrativas presentes no milenar universo do conto maravilhoso são trazidas ao século 21 e relidas/recontadas a partir da diversidade de olhares próprios à contemporaneidade.

 

 

 

 

Sinopses dos livros

 

 

“No Reino das Carapinhas” (por Heloisa Pires Lima)

 

O livro “No Reino da Carapinha” oferece elementos de muita qualidade para o imaginário dessa faixa etária em formação. O humor será uma estratégia a desafiar curiosos irrequietos. Também as imagens poéticas cativam. Mas, a qualidade singular do projeto está na arquitetura que alude outro clássico, o reino das águas claras de M. Lobato. Porém, da interlocução muito bem realizada, resulta o alto valor das carapinhas. Como um fio da navalha, preciso no corte de nada aquém e nada além, Fausto Antônio inverte a posição desprestigiada dos personagens negros, tão marcada nas obras do escritor consagrado. Desta vez, o reino, ou aldeia ou república vai deixando pistas que referem figuras ou acontecimentos históricos relacionados à população negra.

 

Esta passagem entre informar, aludir e encaixar a referência na fluidez do texto têm, da mesma forma, muito acerto. Sobretudo, por não recair no didatismo que interrompe a fantasia. Trata-se de uma aventura bem estruturada e dimensionada em aspectos filosóficos, linguísticos, históricos. Porém, com a singeleza e a alegria de um texto delicioso. Fisgado pela trama o leitor irá conhecer o nome do personagem só quando ele entrar na história. E se divertirá com a hábil sonoridade executado na pena do tin tin por tin tin.

 

 

E nada mais atual do que o assunto das carapinhas. Tema representativo da inversão cultural necessária à eliminação de racismos naturalizados é quando o ponto de virada da vulnerabilidade empodera o sentimento de pertencimento. Há uma demanda alta por materiais de apoio à questão. E como é importante a garantia de escritore(a)s negros estarem nas estantes para serem descobertos para uma leitura.

 

 

“De Rua” (pelo professor José Sérgio Fonseca de Carvalho)

 

Na literatura de Júlio e de Plínio, urdida no entrelaçamento da experiência de ambos como educadores de rua com a paixão comum pela escrita, as narrativas recriam histórias singulares de adolescentes que, pelas mais diversas razões, fazem da rua a sua casa e da cidade o local de seu trabalho e sustento. Nelas nos deparamos com jovens que têm e despertam desejos; que matam e que são mortos. Gente que só queria “bater um rango” e dançar no Asa Branca; ter um filho, vingar-se do pai. Gente que gosta de contar e inventar histórias. Histórias que muitas vezes se calam no desaparecimento precoce de seus protagonistas, mas que noutras se reinventam na conversão religiosa loquaz ou no casamento que os encerra numa vida “normal”.

 

 

 

E assim, nas narrativas de Plínio e Júlio, aqueles que poderiam jamais passar de um amontoado de “ninguéns” perambulando pelas ruas se convertem em pessoas que partilham nosso mundo, que experimentam os mesmos medos, as mesmas paixões e inseguranças de cada um de nós. Não é à toa que a maior parte dos contos aqui publicados portam o nome de alguém. Eles nos falam de jovens que portam armas, mas têm medo de injeção. De outros que desaparecem sem deixar traços nem dizer adeus, mas também dos que esperam inutilmente pela visita de suas mães ou preferem esquecer como são seus pais para deles se aproximarem novamente. Elas nos aproximam desses jovens dos quais nos distanciamos nas ruas. E o fazem sem reduzi-los a uma patologia social a que supostamente teríamos acesso esquadrinhando causas, apresentado estatísticas, perquirindo correlações.

 

 

“Outras Vozes” (pelo autor Plínio Camillo)

 

 

Esta obra embaralha ficção a fatos reais, em 33 contos, e dá ao negro do período escravocrata uma voz dissonante, situando-o como protagonista, ora o oprimido, ora o opressor. Temas sobre os quais pouco se fala na historiografia oficial, como a inúmera presença de negros muçulmanos na Bahia, são tratados de forma bastante original.

 

 

Em narrativas que muitas vezes flertam com a sonoridade do poema, Camillo transporta o leitor para variados cenários e enredos, desde a vinda nos navios negreiros e o trabalho nas fazendas, passando pelos “negros de estimação”, até os alforriados que trabalhavam nas cidades.

 

 

O autor conta que pesquisou por cerca de 20 anos livros e documentos sobre a escravidão. Diz ter encontrado muitos textos importantes, mas nenhum deles trazia o negro como protagonista de sua própria história. “Era apenas a imagem estereotipada do vitimizado em busca de liberdade”, comenta.

 

 

Serviço

 

“A Literatura Brasileira na Ótica dos Escritores Negros”

 

 

Lançamento de Livros:

 

“No Reino da Carapinha”, de Carlindo Fausto Antônio, com ilustrações de Junião, Editora Ciclo Contínuo, 2018.

 

“Outras Vozes”, de Plínio Camillo

 

“De Rua”, de Plínio Camillo e Júlio Dias

 

“Bombons Sortidos” (10 libretos), com trabalhos de Plínio Camillo

 

 

Roda de Conversa: participações de Fausto Antônio, Plínio Camillo, Junião (cartunista e ilustrador do livro “No Reino das Carapinhas”), Marciano Ventura (editor da Ciclo Contínuo) e da professora Natasha Magno, do Instituto de Estudos da Linguagem da Unicamp.

 

Quando: 22 de junho, sexta, às 19h.

Onde: Biblioteca Pública Municipal Prof. Ernesto Manoel Zink (Av. Benjamin Constant, 1633.Centro. Campinas).

Entrada gratuita.

 

Geral

Fiscalização coíbe aglomerações com 2.238 pessoas e fecha cinco comércios

Published

on

By

A Guarda Municipal de Campinas dispersou 2.238 pessoas entre o final da noite de sábado, dia 24/7, e a madrugada deste domingo, 25/7, durante a Operação Aglomeração Zero, coordenada pela Secretaria de Cooperação nos Assuntos de Segurança Pública. 

 

A ação constatou que estas pessoas encontravam-se aglomeradas em grupos de mais dez em praças, vias públicas e nas proximidades de bares e restaurantes.

 

A Operação Aglomeração Zero visa coibir ou dispersar concentração de indivíduos nas ruas para conter a transmissão do coronavírus em Campinas. Viaturas e efetivo da GM são empregados durante a ação, realizada no período em que vigora o Toque de Recolher na cidade, entre 23h e 5h.

 

A corporação intensifica o patrulhamento em locais mapeados a partir de dados estatísticos de onde a Guarda Municipal registra maior número de denúncias recebidas pelo 156 e 153 e também nos bairros com mais casos de transmissão da Covid-19.

 

Fiscalizações

 

O balanço aponta também o resultado das fiscalizações. No sábado, as equipes de fiscalização da Prefeitura vistoriaram 134 estabelecimentos. Destes, 5 foram fechados.

 

As equipes de fiscalização contam com agentes municipais das secretarias de Saúde (por meio da Coordenadoria de Vigilância Sanitária) e Planejamento e Urbanismo, Setec e Procon.

 

A Prefeitura ressalta que a colaboração da população é muito importante no controle da pandemia em Campinas. Mesmo com o avanço da vacinação, os cidadãos precisam manter o uso correto da máscara, fazer higienização das mãos e manter o distanciamento social.

Continue Reading

Geral

GM dispersa 1.680 pessoas na Operação Aglomeração Zero desta madrugada

Published

on

By

A Guarda Municipal de Campinas dispersou 1.680 pessoas entre o final da noite de sexta-feira, 23 de julho, e a madrugada deste sábado, 24, durante as ações da Operação Aglomeração Zero, coordenada pela Secretaria de Cooperação nos Assuntos de Segurança Pública.

 

Com o objetivo de coibir ou dispersar grupos com mais de dez pessoas em vias públicas, viaturas e efetivo da GM realizam a ação no período em que vigora o Toque de Recolher na cidade, entre 23h e 5h.

 

A corporação intensifica o patrulhamento em locais mapeados a partir de dados estatísticos de onde a Guarda Municipal registra maior número de denúncias recebidas pelo 156 e 153 e também nos bairros com mais casos de transmissão de Covid-19.

 

Fiscalizações

 

O balanço aponta também o resultado das fiscalizações. Ontem, as equipes de fiscalização da Prefeitura vistoriaram 92 estabelecimentos. Destes, 7 foram fechados.

 

A fiscalização envolve servidores das secretarias de Saúde (por meio da Coordenadoria de Vigilância Sanitária) e Planejamento e Urbanismo, Setec e Procon.

 

A Prefeitura ressalta que a colaboração da população é muito importante no controle da pandemia em Campinas. Mesmo com o avanço da vacinação, os cidadãos devem fazer o uso correto da máscara, a higienização das mãos e manter o distanciamento social.

Continue Reading

Geral

Prefeito recebe ministro em cerimônia na EPAR Boa Vista nesta sexta, 23

Published

on

By

O prefeito de Campinas, Dário Saadi, e o presidente da Sanasa, Manuelito Magalhães, participaram na manhã desta sexta-feira, 23 de julho, da cerimônia de apresentação da Estação Produtora de Água de Reúso – EPAR Boa Vista. O evento contou com a presença do ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, e do secretário nacional de Saneamento, Pedro Maranhão.

 

 

 

 

A obra beneficia uma população de aproximadamente 55 mil moradores de 30 bairros de Campinas. A EPAR tem capacidade para tratar 180 litros de efluentes por segundo. O esgoto, tratado por meio de membranas ultrafiltrantes, resulta em água de excelente qualidade, que pode ser aproveitada como água de reúso com 99% de grau de pureza. Com a operação dessa unidade, a Estação de Tratamento de Esgoto Vó Pureza será desativada.

 

 

 

 

A EPAR Boa Vista faz de Campinas o primeiro município com mais de 500 mil habitantes a atingir 100% da capacidade instalada para o tratamento de esgoto. “Esta estação é inovadora, um exemplo de ação que gostaríamos que fosse multiplicada em outras cidades brasileiras. Além de tratar o esgoto de forma adequada, está produzindo uma água de qualidade que poderá desde retornar aos rios até ser usada na agricultura ou em aplicações mais nobres. Estou bem impressionado”, elogiou o ministro.

 

 

 

De acordo com o prefeito Dário Saadi, a obra impacta, principalmente, no desenvolvimento sustentável. “Podemos tratar o esgoto, que é fundamental para o meio ambiente, e produzir água de reúso que, além de ser destinada ao Ribeirão Boa Vista mais limpa, pode ser usada na indústria e em outros lugares”, comemorou.

 

 

 

 

De acordo com o presidente da Sanasa, Manuelito Magalhães, a EPAR representa um avanço no tratamento terciário de esgoto. “Devolvemos aos rios água de muito melhor qualidade do que aquela que nós captamos para abastecer a nossa cidade. Recentemente, assinamos outro contrato de financiamento com a Caixa para a modernização da ETE Anhumas, que será transformada em estação produtora de água de reúso. Quando esse empreendimento estiver pronto, Campinas tratará, em caráter terciário, cerca de 70 por cento do esgoto produzido na cidade”, anunciou.

 

 

 

 

O investimento total da obra na Boa Vista foi de R$ 68.458.591,90, sendo R$ 45.998.479,18 financiados pelo PAC FIN/FGTS, e R$ 22.460.112,72 como contrapartida da Sanasa. O trabalho foi executado pelo consórcio formado pelas empresas Enfil e Augusto Velloso, escolhido por meio de licitação internacional. A obra teve início em 1º de março de 2016 em uma área de 90 mil metros quadrados. A EPAR Boa Vista leva o nome do córrego que margeia a estação.

 

 

 

Liberação de recursos

 

Durante o evento, o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, assinou a liberação de recursos nos valores de R$ 126 milhões para obra de melhorias e modernização da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Anhumas.

 

 

Também foram liberados R$ 129,5 milhões para a implantação do sistema de esgotamento sanitário que ligará a bacia do Samambaia, em Campinas, à Estação Produtora de Água de Reúso (EPAR) Capuava, em Valinhos.

Continue Reading

Populares