Connect with us

Geral

Em tempos de pandemia Vianney distribui 35,6 toneladas de alimentos em comunidades na região sul de Campinas

Publicado

em

Associação de Assistência Social São João Vianney distribuiu 35,6 toneladas de alimentos para cerca de 700 famílias em comunidades na Região Sul de Campinas desde o início da Pandemia, destacando-se as Comunidades da Vila Georgina. Essas famílias tem o perfil sócio econômico de alta vulnerabilidade e risco social, em situação de desemprego e/ou trabalho informal, residentes em comunidades com elevado índice de violência e criminalidade, com vínculos familiares fragilizados, e muitas vezes, sem autonomia para assegurar ou reivindicar seus direitos.

O advento da pandemia repercutiu de forma avassaladora na vida de pessoas que já se encontravam em situação de vulnerabilidade social por conta da informalidade do trabalho, má condição de moradia e dificuldade de acesso aos serviços de saúde. Ela tem evidenciado, ainda mais, as desigualdades da sociedade brasileira.

O Prefeito de Campinas, Dário Saadi, afirmou que a Prefeitura de Campinas sentiu aumento na vulnerabilidade das famílias desde o início da pandemia. Em apenas uma semana, 2,8 mil famílias procuraram a prefeitura para atualizar ou fazer inscrição no Cadastro Único para Programas Sociais (CadÚnico).

A fome é um dos grandes problemas da humanidade e o acesso regular e permanente a alimentos de qualidade, em quantidade suficiente, sem comprometer o acesso a outras necessidades essenciais é direito de todos assegurados pela Lei nº 11.346.

Com a pandemia, o agravamento da desigualdade social, a crise economia e os altos índices de desemprego têm levado o Brasil novamente ao mapa da fome. Segundo o IBGE, um quarto da população está abaixo da linha da pobreza e enfrenta maiores restrições de acesso à alimentação, à internet, saneamento básico, educação, condição de moradia e proteção social. Quase metade das crianças de 0 a 14 anos no país também está nesse grupo e têm seus direitos fundamentais – à escola, à saúde, à vida, etc – violados cotidianamente. Dado alarmante que faz pensarmos sobre a relevância de ações em prol do acesso seguro a alimentos de qualidades.

Com o fim do auxílio emergencial e em um momento em que o país registra 13,1 milhões de desempregados, a fome volta a mesa dos brasileiros.

Os dados apontados, descreve uma realidade já conhecida pela Vianney, que há mais de 63 anos vem trabalhando arduamente para romper com as barreiras da desigualdade social.

Houve um aumento expressivo de demanda por cestas básicas. Se considerarmos os atendimentos focados nas famílias afetadas no início da Pandemia, houve um aumento de 437% na distribuição de cestas.  Já no período de um ano os números são preocupantes, chegando a um aumento de 242,5%. Antes da Pandemia cerca de 480 cestas eram distribuídas anualmente. Esse número em 2020 passou para 1.664 cestas e, com essa distribuição, 6.656 pessoas foram diretamente impactadas.

Essas famílias necessitam, portanto, de facilitadores e de ações que promovam o acesso aos seus direitos e as políticas de prevenção as violações de direitos, negligência, trabalho infantil, abuso e exploração sexual, privação aos vínculos afetivos, abandono, violência física, psicológica e sexual, dentre outras.

Todos os alimentos distribuídos foram arrecadados junto à comunidade em campanhas durante o ano de 2020. Esse trabalho faz parte da missão da Vianney que há mais de 60 anos promove condições para contribuir para o empoderamento da comunidade na qual está inserida, incentivar o desenvolvimento e consequentemente, transformar a vida das pessoas.

Em 2021 seguimos com Campanhas Solidária de Arrecadação de Alimentos Não Perecíveis e Produtos de Higiene Pessoal para podermos ajudar mais famílias. De janeiro à início de março já distribuímos cerca de 150 cestas.

A concessão do benefício é feita após estudo social, priorizando famílias sem renda, que não participam de nenhum programa do governo de transferência de renda ou que são impedidos de trabalhar devido à deficiência ou doença grave ou que tenham sido afetadas pela Pandemia.

A sustentabilidade do projeto é exclusivamente feita por meio de doações de parceiros (Condomínios Residenciais, Empresas Privadas e Comércios Locais, além das Comunidades das Paróquias Locais. Contamos também com doações de Pessoas Físicas, diretamente em nossas unidades, que acontecem diariamente.

Você pode ajudar a Vianney por meio de:

– Doação Financeira (PIX: 46.104.071/0001-35)

– Doação de Alimentos Não Perecíveis e Produtos de Higiene Pessoal

– Doação de Roupas e Produtos Novos e Semi Novos, em bom estado de conservação

– Doação de Fraldas

– Doação por meio da Nota Fiscal Paulista

– Destinação do Imposto de Renda

– Voluntariado

Acesse nosso site, conheça mais sobre a Vianney e sobre as formas de ajudar!
A Fome não espera! Contamos com a sua colaboração para apoiarmos mais famílias!

https://www.vianney.com.br/

ENDEREÇO:

Unidade I – Rua Macaraí, 305 – Vila Cura d’Ars – Campinas/SP
CEP 13045-515 

Unidade II – Rua Francisco Bianchini, 1199 – Vila Georgina – Campinas/SP
CEP 13043-730 

Geral

Prefeitura autoriza abertura dos cemitérios municipais neste fim de semana

Publicado

em

Por

Continue Lendo

Geral

Orquestra Sinfônica homenageia Dia das Mães com vídeo de “Carinhoso”

Publicado

em

Por

Continue Lendo

Geral

Prefeitura homologa empresa que irá construir Hospital da Mulher

Publicado

em

Por

Continue Lendo







Populares