Connect with us

Geral

Capacitação ensina profissionais da UTI Neonatal do Samaritano Campinas técnicas do Método Canguru

Publicado

em

Profissionais que atuam na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) Neonatal do HSC (Hospital Samaritano Campinas) participaram do curso de sensibilização no Método Canguru, ministrado pela consultora do Ministério da Saúde, Sandra Regina de Souza. A capacitação teve início no ano passado e atingiu 98% dos profissionais da Unidade. A equipe foi treinada para utilizar e implantar o Método, que possui inúmeras evidências de ser benéfico aos bebês prematuros (que nascem antes das 37 semanas de idade gestacional) e suas famílias. A ação contou com apoio de Luciene Banstarch, Ana Carolina Pereira, além da Tutora Estadual do Ministério da Saúde, Nelma Cabral, e da coordenação médica e de enfermagem da Unidade Neonatal e Educação Continuada do HSC.

A capacitação, segundo a consultora do Ministério da Saúde, envolveu atualização das técnicas de cuidados que inclui “desde o modo como posicionar o prematuro na incubadora; cuidados com a ambiência (ex: a redução da luminosidade e ruídos); estimulo a amamentação; o contato pele a pele; até o cuidado com os pais”. “A finalidade do curso é capacitar 100% da equipe e implantar as três etapas proposta pelo Ministério da Saúde para reduzir riscos para o prematuro”, explicou Sandra, que recentemente defendeu sua tese de doutorado sobre o assunto na USP (Universidade de São Paulo) de Ribeirão Preto.

“O curso de sensibilização projetado pelo Ministério tem duração de 24 horas, ministrado em três dias consecutivos, em que os profissionais passam por uma imersão no Método. O que fazemos é aplicar o curso de forma dinâmica e participativa, para que a equipe possa analisar a sua vivência e elaborar a transformação da prática, pautada em evidências científicas e de acordo com a recomendação do órgão federal. Ao final do curso, além de realizarem atividades práticas, a equipe elabora propostas de melhorias ao atendimento, partindo da realidade do hospital,” acrescentou Sandra.

De acordo com a consultora, após os três cursos ministrados em 2018, a coordenação da Unidade Neonatal do Hospital Samaritano já está implantando as estratégias do Método Canguru e já promoveu importantes mudanças na Unidade, incluindo avanços na ambiência, a utilização de “ninhos” para posicionamento do prematuro e a implantação da posição canguru.

 

BENEFÍCIOS

“No Samaritano Campinas, o Método teve início em 2017 e é um dos poucos hospitais particulares da cidade que aplicam essa metodologia. O Método Canguru possui diversas vantagens para o bebê e a família, como por exemplo, possibilita ao recém-nascido o adequado controle da temperatura; reduz o risco de infecção hospitalar; diminui o estresse e a dor; melhora a qualidade do desenvolvimento do prematuro; estimula e aumenta o aleitamento materno; facilita o vínculo afetivo do bebê com a mãe/pai e possibilita maior habilidade dos pais no cuidado do seu filho, inclusive após a alta para casa”, destacou Sandra.

 

O CURSO

O Ministério da Saúde estimula a participação da equipe multiprofissional no curso, ou seja, médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, terapeutas ocupacional, psicólogos, técnicos em enfermagem, nutricionista e assistente social. “No dia a dia, é preciso que a equipe atue de forma conjunta e ‘fale a mesma língua’ para que o resultado seja efetivo, por isso é muito importante a participação de todos os profissionais nos cursos”, reforçou a especialista.

“Nos hospitais, o curso de sensibilização é ministrado pelos Tutores Estaduais capacitados pelo Ministério da Saúde. O Ministério também está expandindo esse curso para a Atenção Básica de Saúde a fim de realizar um cuidado compartilhado. O Hospital que tem a equipe sensibilizada para o Método Canguru e as etapas implantadas, oferece um cuidado especializado para o bebê e para a família reduzindo riscos de morbidade (doenças) e a mortalidade. No Brasil, temos 27 Referências Estaduais e 6 Referências Nacionais, em que profissionais podem buscar informações sobre o Método”, explicou Sandra que é consultora nacional do Método Canguru e atua como enfermeira na Unicamp, que é uma referência nacional para hospitais de ensino.

O curso também promove discussões sobre saúde do trabalhador, ou seja, cuidados com a equipe que atua na Unidade Neonatal. “É preciso cuidar do profissional que trabalha nessa unidade, pois a equipe precisa ‘estar bem’ para cuidar do recém-nascido e da família”, completou Sandra.

“O Método é apaixonante, principalmente porque ele salva vidas e além de salvar vidas, promove qualidade de vida para os bebês que nasceram prematuros. Amo ministrar o curso, pois além de ter inúmeras evidências científicas dos benefícios, sei que os bebês e suas famílias são cuidados de uma maneira diferenciada pela equipe que foi sensibilizada. Saber que vou contribuir para salvar vidas e melhorar a assistência é muito gratificante”, disse a consultora em relação a capacitação de equipes.

O QUE É

O Método Canguru teve início na Colômbia com o intuito de reduzir infecção, melhorar os cuidados prestados ao recém-nascido prematuros e/ou de baixo peso, reduzir a mortalidade e acabou expandindo para o mundo. No Brasil, tornou-se uma Política Pública do Ministério da Saúde e é norteado pela portaria 930. Ele tem por objetivo estabelecer um modelo de atenção humanizada e qualificada ao recém-nascido prematuro e baixo peso e família.

A enfermeira especializada na técnica explicou que existe uma diferença entre a Posição Canguru (contato pele a pele) e o Método Canguru. “O Método Canguru reúne várias estratégias de intervenção que favorece o cuidado ao recém-nascido e à sua família. Tem início no pré-natal de risco e dá continuidade na unidade Neonatal e segue após a alta hospitalar (até o bebê completar peso de 2.500g). Ele promove a participação dos pais nos cuidados com o bebê desde a internação, preparando-os progressivamente para a alta”, falou.

“Já a Posição Canguru, que é uma das estratégias do Método Canguru, consiste em manter o bebê em contato pele a pele com os pais pelo tempo máximo que seja prazeroso para eles. É importante que o bebê esteja sem roupa (só de fralda) e que fique em contato com a pele com mãe (dentro da camisola), pois o contado da pele do recém-nascido com a pele da mãe/pai é o que irá aquecê-lo, protegê-lo e promover estímulo”, completou. Ela acrescentou ainda, que o contato pele a pele, pode e deve ser feito em casa, quando o prematuro tem alta do Hospital. “O contato também promove benefícios para os bebês que nasceram a termo, ou seja, no ‘tempo certo’, assim, apesar das grandes vantagens serem para o prematuro, a posição canguru é indicada para todos os bebês”, finalizou. De acordo com a consultora, a OMS (Organização Mundial de Saúde) recomenda o Método Canguru.

SOBRE

O Hospital Samaritano de Campinas existe há mais de 35 anos sendo que há cinco anos passou a contar com uma nova gestão. Ele foi criado em 1979, como Sociedade Evangélica Beneficente de Campinas e servia com médicos evangélicos de Campinas à comunidade. Atualmente, possui cerca de 650 funcionários e conta com corpo clínico composto por médicos renomados, desenvolvendo suas atividades em mais de 150 leitos para atendimentos de Cirurgia Geral, Clínica Geral, Maternidade, UTI (Unidade de Terapia Intensiva) Adulto, UTI Infantil, UTI Neonatal, Obstetrícia, Pediatria Clínica, Hospital Dia, Unidade Coronariana e Hemodinâmica. Sua estrutura é composta ainda por 10 salas cirúrgicas. Hospital Samaritano de Campinas realiza, em média, mil procedimentos por mês.

 

Atende diversos convênios médicos entre eles, o PHS Samaritano Saúde que oferece planos de saúde com cobertura a todas as especialidades e procedimentos médicos. Por meio de parceiros, o PHS Samaritano Saúde dispõem de consultórios, clinicas, e hospitais credenciados na RMC (Região Metropolitana de Campinas). Além de atendimento de urgência e emergência em território nacional através da Abramge (Associação Brasileira de Medicina de Grupo). Na RMC, o PHS Samaritano Saúde tem uma ampla rede hospitalar atualmente composta pelo Hospital Samaritano Campinas, Hospital Samaritano Hortolândia, Hospital Samaritano Paulínia, Hospital Samaritano Americana e Hospital Santa Ignês, em Indaiatuba. Juntos, os hospitais oferecem 100 leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva), a maior quantidade no interior do Estado de São Paulo.

Geral

Prefeitura e Câmara detalham implementação dos corredores ecológicos

Publicado

em

Por

O secretário do Verde, Rogério Menezes, participou nesta segunda-feira, 10 de maio, de encontro virtual com a Comissão de Meio Ambiente da Câmara Municipal, presidida pelo vereador Luiz Rossini. A reunião foi promovida para detalhar como serão implementados, na Região Metropolitana de Campinas (RMC), os chamados corredores ecológicos, que integram o Programa Reconecta RMC.

 

 

 

 

 

Corredores ecológicos são faixas de vegetação que têm como objetivo unir fragmentos florestais e unidades de conservação que foram separados por interferência humana (estradas, agricultura ou outros tipos de atividade). Seu principal objetivo é permitir o deslocamento da fauna entre as áreas isoladas e, consequentemente, promover a troca genética entre espécies e a dispersão de sementes.

 

 

 

 

 

A tarefa será grande. A área total de corredores na RMC é de 52.148 hectares, mas apenas 34% desse total (17.475 hectares) têm vegetação. O foco inicial do plano de ação é a recuperação de 11.420 hectares, com o plantio de 1.667 mudas nativas por hectare.

 

 

 

 

 

A estimativa é de custo entre R$ 16 mil e R$ 20 mil por hectare de área plantada, mas é preciso garantir autossustentação em dois anos. Segundo o secretário, as fontes de recursos para essa restauração já existem e precisam ser canalizadas para essas áreas. São recursos do projeto Nascentes do governo do Estado, do Fundo Estadual de Recursos Hídricos (Fehidro), parcerias privadas, ICMS Ecológico que foi recentemente alterado pelo Estado. “Cada prefeitura terá que viabilizar sua parte nessa recuperação”, afirmou Menezes.

 

 

 

 

 

O Reconecta nasceu da discussão de 2016, quando foi decretado o Plano de Verde de Campinas, que prevê 280 quilômetros de corredores ecológicos para ligar fragmentos florestais. “Recuperar o meio ambiente não pode ser ação de uma cidade isolada, mas precisa de projetos regionais. O Programa Reconecta RMC nasceu dessa discussão, onde cada uma das 20 cidades fará sua parte para reconectar fragmentos”, afirmou.

 

 

 

 

 

Plano de Ação

 

 

 

O Plano de Ação para Implantação da Área de Conectividade da RMC foi lançado no início de abril, em cerimônia virtual, quando o prefeito Dário Saadi assinou documentos em que reafirma o compromisso do município com o desenvolvimento sustentável e com os programas de combate às mudanças climáticas e ao aquecimento global.

 

 

 

 

A Área de Conectividade será baseada em infraestrutura verde e azul, como parques lineares, arborização urbana (integração das águas e das áreas verdes), impulsionando a economia verde e circular, além de fortalecer os sistemas de Unidades de Conservação, recuperar Áreas de Preservação Permanentes (APP), conservar bacias hidrográficas e prevenir o atropelamento de animais silvestres.

 

 

 

 

O programa Reconecta RMC tem como parceiro o Projeto Interact-Bio, coordenado e implementado pelo ICLEI (Governos Locais pela Sustentabilidade). O financiamento vem do Ministério Federal Alemão do Meio Ambiente, de Proteção da Natureza, da Construção e da Segurança Nuclear (BMUB), por meio da Iniciativa Internacional de Proteção ao Clima (IKI).

 

 

 

 

Também participaram do encontro desta segunda-feira técnicos da Secretaria do Verde e os vereadores Mariana Conti, Paulo Gaspar e Cecílio Santos.

Continue Lendo

Geral

Seis linhas terão paradas no Corredor BRT, na Avenida das Amoreiras

Publicado

em

Por

Como forma de otimizar e agilizar os trajetos, seis linhas do sistema convencional de transporte público coletivo passam a realizar paradas nas faixas exclusivas do Corredor BRT Ouro Verde, na Avenida das Amoreiras. A mudança ocorre a partir da próxima segunda-feira, 17 de maio, no trecho desde a Avenida Prefeito Magalhães Teixeira (São Bernardo) até a altura do Terminal BRT Campos Elíseos (Vila Rica).  

 

 

 

 

 

Passam a realizar paradas nas faixas exclusivas, nos dois sentidos de circulação, as linhas 140 (Terminal Vila União), 141 (Jardim Capivari), 142 (Jardim Santa Terezinha), 162 (Jardim Paulicéia), 163 (Campos Elíseos) e 317 (Jardim São José / Jardim São Marcos), com embarque e desembarque de passageiros pela faixa esquerda. Até então, o atendimento aos usuários ocorria nos pontos localizados nas marginais da avenida.  

 

 

 

 

 

As linhas impactadas passam a realizar paradas nas faixas exclusivas do BRT desde a região central, uma vez que já atendem a Estação João Jorge. A mudança agiliza as viagens de cerca de 2,4 mil passageiros, que são transportados pelas seis linhas diariamente.  

 

 

 

 

 

O secretário de Transportes, Vinícius Riverete, destaca que “gradativamente, a infraestrutura dos Corredores BRT vem sendo ativada para uso do sistema convencional de transporte, agilizando o tempo de viagem dos usuários”.  

 

 

 

 

 

“Além de otimizar os trajetos, a medida amplia a segurança na circulação, uma vez que os ônibus irão transitar segregados do tráfego em geral”, destaca o presidente da Emdec, Ayrton Camargo e Silva. 

 

 

 

 

 

A Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec) instalou seis abrigos por sentido, ao longo do trecho. Confira a localização de referência das novas paradas: 

 

 

 

 

 

Escola Municipal Profª Geny Rodriguez (altura do nº 1.380) 

OBA Hortifruti (altura do nº 1.700) 

Banco Bradesco (altura do nº 2.100) 

Corpo de Bombeiros (altura do nº 2.800) 

Av. Amoreiras, altura do nº 3.280 (próximo à Rua Martinópolis): será atendido pelas linhas 140, 141 e 317 

Av. Amoreiras, altura do nº 3.800: será atendido pelas linhas 140 e 141 

 

 

 

 

As demais linhas que circulam no trecho prosseguem atendendo aos pontos localizados nas marginais.  

 

 

 

 

 

O trecho impactado da Avenida das Amoreiras conta com as estações BRT São Bernardo, Parque Industrial, Anhanguera e Vila Rica, além do Terminal BRT Campos Elíseos. Todas as estruturas serão ativadas futuramente, quando o sistema BRT entrar em operação.   

 

 

 

 

Orientações aos usuários 

 

 

 

 

Nos primeiros dias das alterações, agentes da Mobilidade Urbana orientam os usuários do transporte público. Para mais informações, a população conta com o aplicativo “Cittamobi”, disponível para sistemas operacionais Android e iOS. Ele informa, em tempo real, o horário da chegada do ônibus no ponto e itinerários, entre outras funcionalidades. 

 

 

 

 

Para esclarecer dúvidas sobre trânsito e transporte, acesse os canais do Fale Conosco Emdec, pelo telefone 118, site (portal.emdec.com.br/faleconosco); ou baixe o aplicativo “Emdec”, disponível para download no Google Play e App Store. 

Continue Lendo

Geral

Ato contra o feminicídio marca ação de conscientização em Campinas

Publicado

em

Por

Um ato público na Vila San Martin, na tarde desta segunda-feira, dia 10 de maio, marcou o início da Semana Municipal de Combate ao Feminicídio em Campinas. 

 

 

 

 

O evento, organizado pelo padre Antônio Rodrigues Alves e pelos pais da jovem Thaís Fernanda Ribeiro, vítima de feminicídio em 2019, contou com a presença da secretária municipal de Assistência Social, Pessoa com Deficiência e Direitos Humanos de Campinas, Vandecleya Moro.

 

 

 

 

“A Secretaria de Assistência Social, Pessoa com Deficiência e Direitos Humanos de Campinas vem trabalhando no sentido de amparar essas mulheres vítimas de violência e conscientizar a sociedade para o problema”, afirmou a secretária.

 

 

 

 

Instituída pela lei 15.848, de 9 de dezembro de 2019, a Semana Municipal de Combate ao Feminicídio em Campinas visa difundir as ações de informação sobre o tema. A data marca o aniversário da vítima de feminicídio Thaís Fernanda Ribeiro, que morava na Vila San Martin em Campinas.

 

 

 

 

Ceamo

 

 

 

O Ceamo é o serviço que atende a mulher vítima de violência em Campinas. Conta com uma equipe de profissionais para acolher, atender e prestar apoio jurídico, social e psicológico à mulher em situação de violência doméstica, realizando atendimento individual, familiar ou em grupo.

 

 

 

 

O serviço da Secretaria Municipal de Assistência Social, Pessoa com Deficiência e Direitos Humanos de Campinas funciona na rua Francisco Glicério, nº 1269 e dispõe de um telefone 0800 para atender o público: 0800-777-1050, mas também atende no telefone 3236-3619. O e-mail é ceamo@campinas.sp.gov.br.

 

 

 

Durante a semana, a Secretaria de Assistência Social, Pessoa com Deficiência e Direitos Humanos de Campinas deve anunciar uma parceria para promover mais segurança à mulher vítima de violência.

Continue Lendo







Populares