Connect with us

Geral

Campinas tem “Dia D” de vacinação contra o sarampo neste sábado

Publicado

em

A Secretaria de Saúde de Campinas realiza neste sábado, 15 de fevereiro, o “Dia D” da campanha de intensificação da vacina contra o sarampo. 

 


A vacinação acontecerá em dez centros de saúde e em um posto móvel. Estarão abertos os centros de saúde Vila Ipê, São Quirino, Aurélia, DIC I, Santa Lúcia, Santo Antônio, União de Bairros, Vila União, Vista Alegre, Valença e Florence. O posto será no Residencial Sirius (confira os endereços e horários abaixo). 

 

A campanha começou no último dia 10 e é destinada a pessoas de cinco a 19 anos de idade que ainda não tomaram as duas doses indicadas para a faixa etária. A intensificação continua até 13 de março e a vacina estará disponível em todos os centros de saúde do município. 


 

Campinas tem uma população estimada de 167.775 crianças de 5 a 14 anos de idade e de 93.965 jovens de 15 a 19 anos, de acordo com dados do Tabnet (IBGE/2019). No entanto, grande parte deste público-alvo já pode ter se vacinado. Em Campinas, durante 2019, mais de 99 mil doses foram aplicadas. Neste ano, foram 3.572 vacinas. 

 

Ao longo da campanha, também haverá um trabalho em escolas do município para avaliar carteirinhas de vacinação de crianças e adolescentes.

 

Aqueles que receberem a primeira dose da vacina durante a campanha, deverão voltar em 30 dias no centro de saúde de referência para receber a segunda dose.

 

É importante que todas as pessoas que perderam a carteirinha de vacinação ou não têm registro das doses procurem o centro de saúde para atualizar o esquema vacinal. Quem tem até 29 anos deve ter duas doses comprovadas em carteira de vacinação e dos 30 aos 59 anos, a recomendação do Ministério da Saúde é de uma dose. 

 

Situação da doença

Em Campinas, em 2019, foram registrados 173 casos de sarampo. Do total de casos, 44 são em menores de um ano; 43 são em crianças entre 1 ano e 4 anos; cinco em crianças entre 5 e 9 anos; três entre 10 e 14 anos; 13 de 15 a 19 anos; 30 são em adultos na faixa etária entre 20 e 29 anos; 23 são na faixa entre 30 e 39 anos de idade; sete entre 40 e 49 anos; e cinco casos entre 50 e 69 anos. Não houve óbitos. Ainda não há registro de casos confirmados em 2020.

 

Dose Zero

Antes, a primeira dose contra a doença era feita quando a criança completava um ano mas, no início de agosto, a Secretaria de Saúde de Campinas adotou a estratégia da chamada dose zero para crianças a partir de seis meses de idade. A medida se antecipou à recomendação do Ministério da Saúde, que dias depois anunciou para o País como um todo. A dose zero não substitui as de rotina, que devem ser mantidas aos 12 meses, por meio da vacina tríplice viral, e aos 15 meses, por meio da vacina tetraviral ou pela tríplice viral associada à vacina contra a varicela. A efetividade da vacina é maior para aqueles que tomaram todas as doses recomendadas.

 

Recomendações

Pessoas com sintomas de sarampo devem procurar imediatamente o atendimento médico e manter o afastamento social. Os sinais incluem febre, conjuntivite, tosse, coriza e vermelhidão no corpo.

 

O sarampo é uma doença altamente contagiosa, causada por vírus, e a única forma de interromper a cadeia de transmissão é por meio da vacina.

 

Situação no Brasil

Após ter sido considerado eliminado no Brasil, o sarampo voltou a registrar casos no país em 2018, inicialmente em Roraima e no Amazonas. O impulso para o retorno da doença foi a entrada de casos importados e a baixa cobertura vacinal no Brasil. A situação fez o Brasil perder o certificado de país livre da doença, o qual havia sido entregue pela Organização Panamericana de Saúde (Opas) em 2016. Contribuiu também a disseminação de informações falsas sobre a vacina.

 

Locais de vacinação no “Dia D” – sábado – 15 de fevereiro

 

Centro de Saúde Parque Valença (Rua Natale Bertucci, 20 – Parque Valença 1) – das 7h às 13h

 

Centro de Saúde Jardim Florence (Rua Osvaldo Peralva, s/nº – Jd Florence) – das 7h às 13h

 

Centro de Saúde Jardim Capivari (Rua Paulo Mangabeira Albernaz, 710 – Jd Capivari) – 7h às 12h

 

Centro de Saúde Santa Lúcia (Rua São Benedito, 50 – Jd Santa Lúcia) – das 7h às 13h

 

Centro de Saúde Jardim Vista Alegre (Avenida Sinimbu, 903 – Pq Universitário de Viracopos) – das 7h30 às 12h

 

Centro de Saúde União dos Bairros (Avenida Pedro Degrecci Júnior, s/nº – Jardim Marajó) – das 8h às 12h

 

Centro de Saúde DIC 1 (Rua Igarapé, 1.400 – DIC 1) – das 8h às 12h

 

Centro de Saúde Santo Antônio (Avenida João Prata Vieira, s/nº – Parque Vista Alegre) – das 8h às 12h

 

Centro de Saúde Vila Ipê (Rua Synira de Arruda Valente,1.400 – Jardim das Oliveiras) – das 8h às 12h

Centro de Saúde São Quirino (Avenida Diogo Alvares, 1.450 – Pq São Quirino) – das 8h às 12h

 

Centro de Saúde Jardim Aurélia (Avenida Dona Licínia Teixeira de Souza, 331 – Vila Proost de Souza) – das 8h às 13h

 

Unidade Móvel

Residencial Sirius (Rua José Pacheco, s/nº – Jd Florence) – das 8h às 12h

Geral

Reunião estabelece protocolo de atendimento a grupo indígena da Venezuela

Publicado

em

Por

Uma reunião realizada na tarde desta sexta-feira, dia 28 de fevereiro, teve como pauta a definição de um protocolo de atendimento aos indígenas venezuelanos da etnia Warao que buscam refúgio no Brasil, inclusive com a presença de um grupo em Campinas. Promovida pela Prefeitura, a reunião também visou organizar as ações das diferentes políticas públicas envolvidas na questão.
O encontro seguiu orientações transmitidas previamente pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), órgão da Organização das Nações Unidas (ONU). Participaram representantes campineiros das áreas de Assistência Social, Direitos Humanos, Saúde e Conselho Tutelar.
A reunião permitiu o compartilhamento de informações sobre os Waraos, suas características culturais e suas necessidades. Também foram definidas tarefas para cada setor, principalmente as relacionadas ao acompanhamento em saúde. É consenso que as ações relacionadas à saúde, como um todo, são as mais emergenciais e necessárias para evitar impactos de separação do grupo, com consequências psicológicas, emocionais e culturais.
Paralelamente, iniciativas da Prefeitura de Campinas terão continuidade e serão reforçadas, como as abordagens das equipes do SOS Rua e Movimento Vida Melhor, entidades conveniadas pela Assistência Social. Outro aspecto abordado é o acompanhamento da situação dos documentos desses indivíduos, trabalho realizado pelo Serviço de Referência ao Imigrante, Refugiado e Apátrida da Secretaria de Assistência Social, Pessoa com Deficiência e Direitos Humanos (SMASDH).
Segundo o diretor do Departamento de Direitos Humanos da SMASDH, Fábio Custódio, o encontro desta sexta-feira foi necessário porque, devido à grande diferença cultural existente entre esse grupo específico de venezuelanos e os brasileiros, eles continuam praticando ações de coleta de doações nas ruas centrais da cidade, apesar das abordagens dos técnicos municipais e da oferta dos serviços mantidos pelo município.
O diretor informou que na próxima semana, a Secretaria receberá representantes do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), e também dará continuidade aos contatos com Exército, um dos órgãos responsáveis pelo Programa de Interiorização do Governo Federal. O objetivo do trabalho conjunto é avançar na compreensão da situação e buscar alternativas de qualificação do atendimento ao grupo de venezuelanos.
Atendimento
O primeiro grupo da etnia Warao desembarcou em Campinas há cerca de duas semanas. Na ocasião, foram atendidos e encaminhados ao Albergue Municipal (SAMIM), onde ficaram abrigados por dois dias. Após esse período, optaram por partir para Hortolândia, onde encontram-se no momento. Nesta semana, um segundo grupo, da mesma etnia, também foi identificado em Campinas. 
Além do rápido encaminhamento do grupo para o Samim, os serviços que executam ações de abordagem nas ruas – SOS Rua e Movimento Vida Melhor (MVM), assim como o Serviço de Referência ao Imigrante, Refugiado e Apátrida – têm atuado no sentido de estabelecer contatos, quebrar barreiras e apresentar os serviços públicos que estão disponíveis à população. Outra prioridade tem sido alertá-los para que não permitam que crianças e adolescentes permaneçam em situação de mendicância ou trabalho infantil.
Os serviços de abordagem manterão as tentativas de contato, buscando adesão aos serviços municipais. Assim sendo, a população pode colaborar informando sobre a presença desses indivíduos nas ruas da cidade ao SOS Rua por meio do telefone (19) 3253-4512.

Continue Lendo

Geral

Apos casos suspeitos de coronavírus em Campinas, Hospital da Unicamp emite nota

Publicado

em

Por

Em relação ao Plano de Contigência contra o coronavírus (COVID-19) do Governo do Estado de São Paulo, de incluir o Hospital de Clínicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) como um dos hospitais de referência para o tratamento de CASOS GRAVES, a superintendência informa que a Unidade de Emergência Referenciada (UER) vai atender apenas os CASOS GRAVES encaminhados por outras unidades.
 
NÃO serão atendidos pacientes de demandas espontâneas. Pacientes com sintomas de tosse seca, dificuldade de respirar e febre devem procurar as Unidades básicas de saúde (UBS) ou Unidades de Pronto Atendimento (UPA) de sua região. A medida é para não haver comprometimento da qualidade da assistência nos casos de rotina de urgência e emergência da Unidade.
 
A Superintendência do Hospital ressalta que NÃO REALIZA testes para vírus respiratórios comuns, nem a coleta de materiais respiratórios para diagnósticos de casos que não se enquadram nos critérios do coronavírus (COVID-19).
 
A Superintendência do Hospital de Clínicas da Unicamp esclarece que não tem medido esforços para prestar um atendimento digno aos pacientes recebidos na unidade (UER), e por isso conta com a compreensão da população até que a situação se normalize.
 
Campinas, 27 de fevereiro de 2020
Superintendência do Hospital das Clínicas da Unicamp

Continue Lendo

Geral

Três apostas de Campinas levam mais de 40 mil na quinta da Mega Sena

Publicado

em

Por

Três apostas de Campinas acertaram a Quinta da Mega-Sena e leva premio de mais de 40 mil reais. Uma aposta foi realizada em uma lotérica do Jardim Bandeirantes, outra no bairro Ponte Preta e outra no Conjunto Habitacional Vila San.

Um bolão feito em uma lotérica em Hortolândia acertou a Quinta da Mega-Sena e leva premio de mais de 40 mil reais.


Os números sorteados foram 11-20-27-28-53-60. Segundo a Caixa, o prêmio total a ser dividido entre os dois bilhetes ganhadores é de R$ 211.652.717,75. Uma aposta da capital de Acre e outra da capital de Fortaleza que dividira o premio.

Um bolão de Hortolândia também levou o premio da quinta. Um total de 263 apostas acertaram a quina, rendendo R$ 44.509,85 a cada uma delas. Também serão pagos prêmios de R$ 1.110,86 a outros 15.054 bilhetes que acertaram a quadra.

Continue Lendo

error: Content is protected !!