Connect with us

Geral

BRT: acesso entre Pq. Industrial e Jd. Miranda será bloqueado por 90 dias

Publicado

em

A implantação dos corredores BRT (Bus Rapid Transit – Ônibus de Trânsito Rápido) em Campinas tem mais um capítulo. Por conta do avanço das obras do Corredor Perimetral – que liga o Corredor Campo Grande, na Vila Aurocan, ao Corredor Ouro Verde, no Campos Elíseos – o acesso de ligação dos bairros Parque Industrial e Jardim Miranda terá que ser bloqueado.

 

 

 

A interdição será no trecho de transposição do leito desativado do antigo Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT), entre as vias Rodion Podolski e Feliciano Garcia. O fechamento do acesso começa a partir das 10h de segunda-feira, dia 16 de julho. A previsão inicial é de reabertura do trecho em 90 dias.

 

 

 

“Estamos planejando, e muito bem, a implantação dos corredores BRT e procurando minimizar, ao máximo, os transtornos para a população. Toda grande obra traz transtornos momentâneos. Mas, ao final, teremos um excelente resultado, que irá transformar o transporte público e o sistema viário em dois dos principais corredores de nosso município”, afirma o secretário de Transportes e presidente da Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec), Carlos José Barreiro.

 

 

 

A Emdec programou rota alternativa entre as ruas Rodion Podolski e Júlio Ribeiro de Menezes. A região será devidamente sinalizada; além de receber a presença dos agentes da Mobilidade Urbana na orientação aos motoristas.

 

 

 

O acesso que será bloqueado é uma importante ligação entre as avenidas John Boyd Dunlop e Amoreiras. O local receberá nova reconfiguração, com mais segurança para pedestres e motoristas.

 

 

 

Dados Gerais

 

O BRT campineiro contempla estações de transferência e infraestrutura adequada; veículos articulados ou biarticulados; corredores exclusivos com espaços para ultrapassagens; embarque e desembarque pela esquerda (junto ao canteiro central das avenidas); embarque em nível; e pagamento desembarcado. O sistema será mais seguro, rápido, eficiente e confiável.

 

 

 

O BRT Campo Grande terá 17,9 km de extensão, saindo da região central, ao lado do Terminal Mercado, seguindo pelo leito desativado do antigo VLT, Avenida John Boyd Dunlop, passando pelo Terminal Campo Grande e chegando ao Terminal Itajaí. Serão construídas 12 obras de arte (pontes e viadutos).

 

 

 

O BRT Ouro Verde terá 14,6 km de extensão, saindo da região central, do Terminal Central, seguindo pelas avenidas João Jorge, Amoreiras, Ruy Rodriguez, passando pelo Terminal Ouro Verde, Camucim até o Terminal Vida Nova. Nesse trajeto serão construídas quatro obras de arte (pontes e viadutos).

 

 

 

Entre os dois corredores haverá um corredor perimetral, chamado de BRT Perimetral, com 4,1 km de extensão, ligando a Vila Aurocan até o Campos Elíseos, seguindo pelo leito desativado do VLT.

 

 

 

Os três corredores BRT do município – Campo Grande, Ouro Verde e Perimetral – tem custo total de R$ 451,5 milhões. Serão 36,6 km de corredores, com tempo total de obras de três anos, com entrega em meados de 2020.

 

 

 

“Nossas obras estão de vento em popa; seguindo, rigorosamente, o cronograma estabelecido. Vamos entregar os três corredores, em pleno funcionamento, dentro do prazo estabelecido”, diz Barreiro.

 

 

 

Lotes

 

A elaboração dos projetos executivos e realização das obras dos três corredores BRT foram divididas em quatro lotes.

 

 

– Lote 1: compreende o trecho 1 do Corredor Campo Grande, que é a ligação entre a região central até a Vila Aurocan, com extensão de 4,3 km; além de todo corredor perimetral, com 4,1 km. O responsável pelo Lote 1 é o Consórcio Corredor BRT Campinas, formado pela Arvek, D. P. Barros, Trail, Enpavi e Pentágono. O valor total do lote é de R$ 88,9 milhões.

 

 

 

– Lote 2: trechos 2, 3 e 4 do Corredor Campo Grande. Esses trechos contemplam a ligação da Vila Aurocan até o Terminal Itajaí, totalizando 13,6 km. O trecho 2 é da Vila Aurocan até a ponte sobre a Rodovia dos Bandeirantes, com 5 km. O trecho 3 compreende a ponte da Rodovia dos Bandeirantes até o Terminal Campo Grande, totalizando 6,4 km. E o trecho 4, do Terminal Campo Grande até o Terminal Itajaí, totalizando 2,2 km. Responsável: Empresa Construcap – CCPS Engenharia e Comércio. Valor total do lote: R$ 191,1 milhões.

 

 

 

– Lote 3: trecho 1 do Corredor Ouro Verde, que liga a região central até a Estação Campos Elíseos, com 4,8 km de extensão. Responsável: Empresa Compec Galasso. Valor total do lote: R$ 66,5 milhões.

 

 

 

– Lote 4: trechos 2 e 3 do Corredor Ouro Verde, que compreende a ligação da Estação Campos Elíseos até o Terminal Vida Nova, totalizando 9,8 km de extensão. O trecho 2 vai da Estação Campos Elíseos até o Terminal Ouro Verde, com 5,7 km. E o trecho 3 liga o Terminal Ouro Verde até o Terminal Vida Nova, com 4,1 km. Responsável: Consórcio BRT Campinas (Artec; Metropolitana). Valor total do lote: R$ 104,9 milhões.

Geral

Prefeitura e Câmara detalham implementação dos corredores ecológicos

Publicado

em

Por

O secretário do Verde, Rogério Menezes, participou nesta segunda-feira, 10 de maio, de encontro virtual com a Comissão de Meio Ambiente da Câmara Municipal, presidida pelo vereador Luiz Rossini. A reunião foi promovida para detalhar como serão implementados, na Região Metropolitana de Campinas (RMC), os chamados corredores ecológicos, que integram o Programa Reconecta RMC.

 

 

 

 

 

Corredores ecológicos são faixas de vegetação que têm como objetivo unir fragmentos florestais e unidades de conservação que foram separados por interferência humana (estradas, agricultura ou outros tipos de atividade). Seu principal objetivo é permitir o deslocamento da fauna entre as áreas isoladas e, consequentemente, promover a troca genética entre espécies e a dispersão de sementes.

 

 

 

 

 

A tarefa será grande. A área total de corredores na RMC é de 52.148 hectares, mas apenas 34% desse total (17.475 hectares) têm vegetação. O foco inicial do plano de ação é a recuperação de 11.420 hectares, com o plantio de 1.667 mudas nativas por hectare.

 

 

 

 

 

A estimativa é de custo entre R$ 16 mil e R$ 20 mil por hectare de área plantada, mas é preciso garantir autossustentação em dois anos. Segundo o secretário, as fontes de recursos para essa restauração já existem e precisam ser canalizadas para essas áreas. São recursos do projeto Nascentes do governo do Estado, do Fundo Estadual de Recursos Hídricos (Fehidro), parcerias privadas, ICMS Ecológico que foi recentemente alterado pelo Estado. “Cada prefeitura terá que viabilizar sua parte nessa recuperação”, afirmou Menezes.

 

 

 

 

 

O Reconecta nasceu da discussão de 2016, quando foi decretado o Plano de Verde de Campinas, que prevê 280 quilômetros de corredores ecológicos para ligar fragmentos florestais. “Recuperar o meio ambiente não pode ser ação de uma cidade isolada, mas precisa de projetos regionais. O Programa Reconecta RMC nasceu dessa discussão, onde cada uma das 20 cidades fará sua parte para reconectar fragmentos”, afirmou.

 

 

 

 

 

Plano de Ação

 

 

 

O Plano de Ação para Implantação da Área de Conectividade da RMC foi lançado no início de abril, em cerimônia virtual, quando o prefeito Dário Saadi assinou documentos em que reafirma o compromisso do município com o desenvolvimento sustentável e com os programas de combate às mudanças climáticas e ao aquecimento global.

 

 

 

 

A Área de Conectividade será baseada em infraestrutura verde e azul, como parques lineares, arborização urbana (integração das águas e das áreas verdes), impulsionando a economia verde e circular, além de fortalecer os sistemas de Unidades de Conservação, recuperar Áreas de Preservação Permanentes (APP), conservar bacias hidrográficas e prevenir o atropelamento de animais silvestres.

 

 

 

 

O programa Reconecta RMC tem como parceiro o Projeto Interact-Bio, coordenado e implementado pelo ICLEI (Governos Locais pela Sustentabilidade). O financiamento vem do Ministério Federal Alemão do Meio Ambiente, de Proteção da Natureza, da Construção e da Segurança Nuclear (BMUB), por meio da Iniciativa Internacional de Proteção ao Clima (IKI).

 

 

 

 

Também participaram do encontro desta segunda-feira técnicos da Secretaria do Verde e os vereadores Mariana Conti, Paulo Gaspar e Cecílio Santos.

Continue Lendo

Geral

Seis linhas terão paradas no Corredor BRT, na Avenida das Amoreiras

Publicado

em

Por

Como forma de otimizar e agilizar os trajetos, seis linhas do sistema convencional de transporte público coletivo passam a realizar paradas nas faixas exclusivas do Corredor BRT Ouro Verde, na Avenida das Amoreiras. A mudança ocorre a partir da próxima segunda-feira, 17 de maio, no trecho desde a Avenida Prefeito Magalhães Teixeira (São Bernardo) até a altura do Terminal BRT Campos Elíseos (Vila Rica).  

 

 

 

 

 

Passam a realizar paradas nas faixas exclusivas, nos dois sentidos de circulação, as linhas 140 (Terminal Vila União), 141 (Jardim Capivari), 142 (Jardim Santa Terezinha), 162 (Jardim Paulicéia), 163 (Campos Elíseos) e 317 (Jardim São José / Jardim São Marcos), com embarque e desembarque de passageiros pela faixa esquerda. Até então, o atendimento aos usuários ocorria nos pontos localizados nas marginais da avenida.  

 

 

 

 

 

As linhas impactadas passam a realizar paradas nas faixas exclusivas do BRT desde a região central, uma vez que já atendem a Estação João Jorge. A mudança agiliza as viagens de cerca de 2,4 mil passageiros, que são transportados pelas seis linhas diariamente.  

 

 

 

 

 

O secretário de Transportes, Vinícius Riverete, destaca que “gradativamente, a infraestrutura dos Corredores BRT vem sendo ativada para uso do sistema convencional de transporte, agilizando o tempo de viagem dos usuários”.  

 

 

 

 

 

“Além de otimizar os trajetos, a medida amplia a segurança na circulação, uma vez que os ônibus irão transitar segregados do tráfego em geral”, destaca o presidente da Emdec, Ayrton Camargo e Silva. 

 

 

 

 

 

A Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec) instalou seis abrigos por sentido, ao longo do trecho. Confira a localização de referência das novas paradas: 

 

 

 

 

 

Escola Municipal Profª Geny Rodriguez (altura do nº 1.380) 

OBA Hortifruti (altura do nº 1.700) 

Banco Bradesco (altura do nº 2.100) 

Corpo de Bombeiros (altura do nº 2.800) 

Av. Amoreiras, altura do nº 3.280 (próximo à Rua Martinópolis): será atendido pelas linhas 140, 141 e 317 

Av. Amoreiras, altura do nº 3.800: será atendido pelas linhas 140 e 141 

 

 

 

 

As demais linhas que circulam no trecho prosseguem atendendo aos pontos localizados nas marginais.  

 

 

 

 

 

O trecho impactado da Avenida das Amoreiras conta com as estações BRT São Bernardo, Parque Industrial, Anhanguera e Vila Rica, além do Terminal BRT Campos Elíseos. Todas as estruturas serão ativadas futuramente, quando o sistema BRT entrar em operação.   

 

 

 

 

Orientações aos usuários 

 

 

 

 

Nos primeiros dias das alterações, agentes da Mobilidade Urbana orientam os usuários do transporte público. Para mais informações, a população conta com o aplicativo “Cittamobi”, disponível para sistemas operacionais Android e iOS. Ele informa, em tempo real, o horário da chegada do ônibus no ponto e itinerários, entre outras funcionalidades. 

 

 

 

 

Para esclarecer dúvidas sobre trânsito e transporte, acesse os canais do Fale Conosco Emdec, pelo telefone 118, site (portal.emdec.com.br/faleconosco); ou baixe o aplicativo “Emdec”, disponível para download no Google Play e App Store. 

Continue Lendo

Geral

Ato contra o feminicídio marca ação de conscientização em Campinas

Publicado

em

Por

Um ato público na Vila San Martin, na tarde desta segunda-feira, dia 10 de maio, marcou o início da Semana Municipal de Combate ao Feminicídio em Campinas. 

 

 

 

 

O evento, organizado pelo padre Antônio Rodrigues Alves e pelos pais da jovem Thaís Fernanda Ribeiro, vítima de feminicídio em 2019, contou com a presença da secretária municipal de Assistência Social, Pessoa com Deficiência e Direitos Humanos de Campinas, Vandecleya Moro.

 

 

 

 

“A Secretaria de Assistência Social, Pessoa com Deficiência e Direitos Humanos de Campinas vem trabalhando no sentido de amparar essas mulheres vítimas de violência e conscientizar a sociedade para o problema”, afirmou a secretária.

 

 

 

 

Instituída pela lei 15.848, de 9 de dezembro de 2019, a Semana Municipal de Combate ao Feminicídio em Campinas visa difundir as ações de informação sobre o tema. A data marca o aniversário da vítima de feminicídio Thaís Fernanda Ribeiro, que morava na Vila San Martin em Campinas.

 

 

 

 

Ceamo

 

 

 

O Ceamo é o serviço que atende a mulher vítima de violência em Campinas. Conta com uma equipe de profissionais para acolher, atender e prestar apoio jurídico, social e psicológico à mulher em situação de violência doméstica, realizando atendimento individual, familiar ou em grupo.

 

 

 

 

O serviço da Secretaria Municipal de Assistência Social, Pessoa com Deficiência e Direitos Humanos de Campinas funciona na rua Francisco Glicério, nº 1269 e dispõe de um telefone 0800 para atender o público: 0800-777-1050, mas também atende no telefone 3236-3619. O e-mail é ceamo@campinas.sp.gov.br.

 

 

 

Durante a semana, a Secretaria de Assistência Social, Pessoa com Deficiência e Direitos Humanos de Campinas deve anunciar uma parceria para promover mais segurança à mulher vítima de violência.

Continue Lendo







Populares