Connect with us

Geral

BRT: acesso entre Pq. Industrial e Jd. Miranda será bloqueado por 90 dias

Published

on

A implantação dos corredores BRT (Bus Rapid Transit – Ônibus de Trânsito Rápido) em Campinas tem mais um capítulo. Por conta do avanço das obras do Corredor Perimetral – que liga o Corredor Campo Grande, na Vila Aurocan, ao Corredor Ouro Verde, no Campos Elíseos – o acesso de ligação dos bairros Parque Industrial e Jardim Miranda terá que ser bloqueado.

 

 

 

A interdição será no trecho de transposição do leito desativado do antigo Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT), entre as vias Rodion Podolski e Feliciano Garcia. O fechamento do acesso começa a partir das 10h de segunda-feira, dia 16 de julho. A previsão inicial é de reabertura do trecho em 90 dias.

 

 

 

“Estamos planejando, e muito bem, a implantação dos corredores BRT e procurando minimizar, ao máximo, os transtornos para a população. Toda grande obra traz transtornos momentâneos. Mas, ao final, teremos um excelente resultado, que irá transformar o transporte público e o sistema viário em dois dos principais corredores de nosso município”, afirma o secretário de Transportes e presidente da Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec), Carlos José Barreiro.

 

 

 

A Emdec programou rota alternativa entre as ruas Rodion Podolski e Júlio Ribeiro de Menezes. A região será devidamente sinalizada; além de receber a presença dos agentes da Mobilidade Urbana na orientação aos motoristas.

 

 

 

O acesso que será bloqueado é uma importante ligação entre as avenidas John Boyd Dunlop e Amoreiras. O local receberá nova reconfiguração, com mais segurança para pedestres e motoristas.

 

 

 

Dados Gerais

 

O BRT campineiro contempla estações de transferência e infraestrutura adequada; veículos articulados ou biarticulados; corredores exclusivos com espaços para ultrapassagens; embarque e desembarque pela esquerda (junto ao canteiro central das avenidas); embarque em nível; e pagamento desembarcado. O sistema será mais seguro, rápido, eficiente e confiável.

 

 

 

O BRT Campo Grande terá 17,9 km de extensão, saindo da região central, ao lado do Terminal Mercado, seguindo pelo leito desativado do antigo VLT, Avenida John Boyd Dunlop, passando pelo Terminal Campo Grande e chegando ao Terminal Itajaí. Serão construídas 12 obras de arte (pontes e viadutos).

 

 

 

O BRT Ouro Verde terá 14,6 km de extensão, saindo da região central, do Terminal Central, seguindo pelas avenidas João Jorge, Amoreiras, Ruy Rodriguez, passando pelo Terminal Ouro Verde, Camucim até o Terminal Vida Nova. Nesse trajeto serão construídas quatro obras de arte (pontes e viadutos).

 

 

 

Entre os dois corredores haverá um corredor perimetral, chamado de BRT Perimetral, com 4,1 km de extensão, ligando a Vila Aurocan até o Campos Elíseos, seguindo pelo leito desativado do VLT.

 

 

 

Os três corredores BRT do município – Campo Grande, Ouro Verde e Perimetral – tem custo total de R$ 451,5 milhões. Serão 36,6 km de corredores, com tempo total de obras de três anos, com entrega em meados de 2020.

 

 

 

“Nossas obras estão de vento em popa; seguindo, rigorosamente, o cronograma estabelecido. Vamos entregar os três corredores, em pleno funcionamento, dentro do prazo estabelecido”, diz Barreiro.

 

 

 

Lotes

 

A elaboração dos projetos executivos e realização das obras dos três corredores BRT foram divididas em quatro lotes.

 

 

– Lote 1: compreende o trecho 1 do Corredor Campo Grande, que é a ligação entre a região central até a Vila Aurocan, com extensão de 4,3 km; além de todo corredor perimetral, com 4,1 km. O responsável pelo Lote 1 é o Consórcio Corredor BRT Campinas, formado pela Arvek, D. P. Barros, Trail, Enpavi e Pentágono. O valor total do lote é de R$ 88,9 milhões.

 

 

 

– Lote 2: trechos 2, 3 e 4 do Corredor Campo Grande. Esses trechos contemplam a ligação da Vila Aurocan até o Terminal Itajaí, totalizando 13,6 km. O trecho 2 é da Vila Aurocan até a ponte sobre a Rodovia dos Bandeirantes, com 5 km. O trecho 3 compreende a ponte da Rodovia dos Bandeirantes até o Terminal Campo Grande, totalizando 6,4 km. E o trecho 4, do Terminal Campo Grande até o Terminal Itajaí, totalizando 2,2 km. Responsável: Empresa Construcap – CCPS Engenharia e Comércio. Valor total do lote: R$ 191,1 milhões.

 

 

 

– Lote 3: trecho 1 do Corredor Ouro Verde, que liga a região central até a Estação Campos Elíseos, com 4,8 km de extensão. Responsável: Empresa Compec Galasso. Valor total do lote: R$ 66,5 milhões.

 

 

 

– Lote 4: trechos 2 e 3 do Corredor Ouro Verde, que compreende a ligação da Estação Campos Elíseos até o Terminal Vida Nova, totalizando 9,8 km de extensão. O trecho 2 vai da Estação Campos Elíseos até o Terminal Ouro Verde, com 5,7 km. E o trecho 3 liga o Terminal Ouro Verde até o Terminal Vida Nova, com 4,1 km. Responsável: Consórcio BRT Campinas (Artec; Metropolitana). Valor total do lote: R$ 104,9 milhões.

Geral

Prefeito recebe ministro em cerimônia na EPAR Boa Vista nesta sexta, 23

Published

on

By

O prefeito de Campinas, Dário Saadi, e o presidente da Sanasa, Manuelito Magalhães, participaram na manhã desta sexta-feira, 23 de julho, da cerimônia de apresentação da Estação Produtora de Água de Reúso – EPAR Boa Vista. O evento contou com a presença do ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, e do secretário nacional de Saneamento, Pedro Maranhão.

 

 

 

 

A obra beneficia uma população de aproximadamente 55 mil moradores de 30 bairros de Campinas. A EPAR tem capacidade para tratar 180 litros de efluentes por segundo. O esgoto, tratado por meio de membranas ultrafiltrantes, resulta em água de excelente qualidade, que pode ser aproveitada como água de reúso com 99% de grau de pureza. Com a operação dessa unidade, a Estação de Tratamento de Esgoto Vó Pureza será desativada.

 

 

 

 

A EPAR Boa Vista faz de Campinas o primeiro município com mais de 500 mil habitantes a atingir 100% da capacidade instalada para o tratamento de esgoto. “Esta estação é inovadora, um exemplo de ação que gostaríamos que fosse multiplicada em outras cidades brasileiras. Além de tratar o esgoto de forma adequada, está produzindo uma água de qualidade que poderá desde retornar aos rios até ser usada na agricultura ou em aplicações mais nobres. Estou bem impressionado”, elogiou o ministro.

 

 

 

De acordo com o prefeito Dário Saadi, a obra impacta, principalmente, no desenvolvimento sustentável. “Podemos tratar o esgoto, que é fundamental para o meio ambiente, e produzir água de reúso que, além de ser destinada ao Ribeirão Boa Vista mais limpa, pode ser usada na indústria e em outros lugares”, comemorou.

 

 

 

 

De acordo com o presidente da Sanasa, Manuelito Magalhães, a EPAR representa um avanço no tratamento terciário de esgoto. “Devolvemos aos rios água de muito melhor qualidade do que aquela que nós captamos para abastecer a nossa cidade. Recentemente, assinamos outro contrato de financiamento com a Caixa para a modernização da ETE Anhumas, que será transformada em estação produtora de água de reúso. Quando esse empreendimento estiver pronto, Campinas tratará, em caráter terciário, cerca de 70 por cento do esgoto produzido na cidade”, anunciou.

 

 

 

 

O investimento total da obra na Boa Vista foi de R$ 68.458.591,90, sendo R$ 45.998.479,18 financiados pelo PAC FIN/FGTS, e R$ 22.460.112,72 como contrapartida da Sanasa. O trabalho foi executado pelo consórcio formado pelas empresas Enfil e Augusto Velloso, escolhido por meio de licitação internacional. A obra teve início em 1º de março de 2016 em uma área de 90 mil metros quadrados. A EPAR Boa Vista leva o nome do córrego que margeia a estação.

 

 

 

Liberação de recursos

 

Durante o evento, o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, assinou a liberação de recursos nos valores de R$ 126 milhões para obra de melhorias e modernização da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Anhumas.

 

 

Também foram liberados R$ 129,5 milhões para a implantação do sistema de esgotamento sanitário que ligará a bacia do Samambaia, em Campinas, à Estação Produtora de Água de Reúso (EPAR) Capuava, em Valinhos.

Continue Reading

Geral

Praças, teatros e museus voltam a receber público a partir de segunda, 26

Published

on

By

A Secretaria Municipal de Cultura e Turismo informa os horários de funcionamento dos museus, teatros, bibliotecas, casas de cultura, a partir desta segunda-feira, 26 de julho. Os horários foram definidos após o decreto publicado no Diário Oficial nesta sexta-feira, dia 23 de julho, que convoca todos os servidores municipais de Campinas da Administração direta e indireta para o retorno ao trabalho presencial.

 

 

 

O decreto também estabelece a retomada de atendimento presencial ao público. Assim, os espaços culturais também voltam a atender o público, obedecendo aos protocolos para proteção contra a Covid-19, com distanciamento social, uso de máscaras e álcool em gel. 

 

 

 

Confira o horário de cada espaço:

 

 

Museu de Arte Contemporânea “Jose Pancetti” (MACC)

 

Terça a sexta, das 9h às 17h

 

Sábado, das 9h às 12h

 

Fechado aos domingos e feriados

 

 

 

Museu de História Natural, Aquário e Casa do Animais Interessantes (MHN)

 

Quarta a domingo, das 9h às 12h e das 13h às 17h

 

Fechado às segundas, terças e feriados

 

 

 

 

Museu da Imagem e do Som (MIS)

 

Segunda a sexta, das 9h às 17h

 

Fechado aos sábados, domingos e feriados

 

 

 

 

Museu do Café (MUCA)

 

Terça a sexta, das 10h às 17h

 

Sábado, das 9h às 15h

 

Fechado aos domingos, segundas e feriados

 

 

 

 

Museu Dinâmico de Ciências e Planetário (MDCC)

 

Visitas ao Museu:

 

Terça a sexta – 9h às 16h30 (mediante agendamento prévio)

 

 

 

Sessões do Planetário:

 

Segunda a sexta – 9h, 10h30, 14h e 15h30

 

Fechado aos sábados

 

Domingo – 15h (infantil) e 16h

 

 

 

 

Museu da Cidade (Casa de Vidro)

 

Terça a sexta, das 10h às 17h

 

Sábado, das 10h às 15h

 

Fechado aos domingos, segundas e feriados

 

 

 

 

Centro de Cultura Caipira – Museu da Cidade

 

Agendamento conforme programação de eventos no local (oficinas e palestras)

 

 

 

 

Observatório Municipal “Jean Nicolini”

 

Terça a sexta, das 15h às 21h

 

Domingo, das 17h às 21h

 

Fechado aos sábados e segundas-feiras

 

 

 

 

Casa de Cultura Andorinhas   

 

Segunda a sexta, das 9h às 17h

 

 

 

 

Casa de Cultura de Sousas

 

Segunda a sexta, das 9h às 17h

 

 

 

 

Casa de Cultura Itajaí

 

Segunda a sexta, das 9h às 17h

 

 

 

 

Centro Cultural Casarão

 

Segunda a sexta, das 9h às 17h

 

Agendamento conforme programação de eventos no local (oficinas, ensaios e apresentações com público limitado)

 

 

 

 

CEU Florence

 

Segunda a sexta, das 8h às 20h

 

Sábados e domingos, das 8h às 17h

 

 

 

 

CEU Esperança

 

Segunda a sexta, das 8h às 20h

 

Sábados e domingos, das 8h às 17h

 

 

 

Bibliotecas

 

Segunda a sexta, das 11h às 17h

 

 

 

 

Estação Cultura

 

Exposições – das 8h às 18h

 

Ensaios e oficinas – das 10h às 22h

 

 

 

 

Auditório “Beethoven” (Concha Acústica)

 

Conforme horário do Parque e programação do dia

 

 

 

 

Teatro Carlito Maia

 

Quarta a domingo 9h às 17h, conforme horário do Bosque e programação do dia

 

 

 

 

Espaço Cultural “Maria Monteiro”

 

Segunda a sábado, das 8h às 21h

 

Domingo, das 8h às 20h

 

 

 

 

Teatro Municipal “José de Castro Mendes”

 

Quarta a domingo, conforme horário agendado da programação

 

Bilheteria: das 16h às 21h

Continue Reading

Geral

Prefeitura faz audiência pública virtual da PPP do Lixo nesta sexta-feira

Published

on

By

A Prefeitura de Campinas, por meio da Secretaria de Serviços Públicos, fez a audiência pública virtual, transmitida pelo YouTube, para a apresentação da PPP (Parceria público-privada) dos Resíduos Sólidos Urbanos, a PPP do Lixo, na manhã desta sexta-feira, 23 de julho, coordenada pelo secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella. O vice-prefeito, Wanderley de Almeida abriu a audiência. A apresentação foi feita pelos assessores técnicos da Secretaria de Serviços Públicos, Fernando Carbonari e Paulo Adani. A audiência foi aberta a perguntas. Algumas serão respondidas por e-mail nos próximos dias. 

 

 

 

 

“O fruto desta PPP é conseguir excelência na destinação dos resíduos. Este é um desafio não apenas para Campinas, é um desafio para o país e o mundo. O modelo atual está saturado. A audiência é uma oportunidade para que todos tomem conhecimento e possam opinar”, disse o vice-prefeito e secretário de Relações Institucionais, Wanderley de Almeida 

 

 

 

 

O projeto da PPP prevê a concessão administrativa dos serviços de gestão integrada de resíduos sólidos urbanos (RSU) em Campinas, por um período de 30 anos, com o valor de investimento estimado, pelo parceiro, em mais de R$ 930 milhões, com o objetivo de implementar um novo modelo de gestão do lixo na cidade, mais sustentável, com ampliação dos serviços e maior reaproveitamento de todos os tipos de resíduos, de forma a reduzir significativamente a quantidade de material encaminhada ao aterro sanitário. A expectativa é que o edital seja publicado em 20 dias. 

 

 

 

 

“Hoje damos o pontapé neste processo de PPP, que tem como objetivo fazer as grandes transformações da destinação dos resíduos sólidos. É o cumprimento da lei da Política Nacional de Resíduos Sólidos, que obriga os municípios a tratar os resíduos e conclama pelo reaproveitamento dos materiais, o que chamamos de sustentabilidade. O grande desafio do século 21 é o de transformar e é fundamental que o setor público esteja aliado ao privado e, por isso, uma parceria público-privada ”, considerou o secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella.

 

 

 

“O processo está amadurecido e Campinas retoma a liderança quando o assunto é resíduos sólidos”, disse o secretário do Verde, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Rogério Menezes.

 

 

 

Para isso, os serviços já existentes serão ampliados e modernizados, gradativamente, e outros serão integrados: 

 

Coleta domiciliar – terá ampliação da coleta mecanizada (contêineres) e em áreas de difícil acesso (área rural e comunidades).

 

Coleta seletiva – ampliação da área de coleta seletiva no porta a porta; aumento do número de ecopontos; aporte financeiro e treinamento às cooperativas de reciclagem; ampliação de material reciclável coletado e de cooperativas. 

 

Limpeza urbana – ampliação do serviço de varrição e de lavagem; implementação de varrição mecanizada e contêineres subterrâneos; ampliação e modernização de limpeza de bocas de lobo.

 

Civar (Centro Integrado de Valorização dos Resíduos) – será instalado em área do complexo Delta, com maquinário para separar mecanicamente materiais recicláveis, orgânicos e rejeitos. Os materiais serão reaproveitados ao máximo e somente rejeitos irão para o aterro. Implantação de unidade de produção de combustível derivado de resíduos (CDR).

 

Aterro sanitário – encerramento técnico do aterro sanitário Delta A, que atingiu a capacidade em 2014.

 

Também participaram o vereador Juscelino da Barbarense, representando a Câmara dos Vereadores, diretores e funcionários. Dúvidas pelo e-mail [email protected]

Continue Reading

Populares